em construção

apneia na criança -

1-4% das crianças com menos de 8 anos

As apneias (paragens da respiração superiores a dez segundos) na criança pode ter consequências suficientes para que a sua qualidade de vida seja comprometida e devem, por isso, ser reconhecidas e tratadas atempadamente.
A causa mais frequente é a hipertrofia das amígdalas que, pela sua localização relativamente baixa, provocam colapso durante a passagem do ar (a hipertrofia dos adenoides, por ex. pode provocar roncopatia muito acentuada, mas não um significativo grau de apneia). Outros factores, tal como no adulto, são a obesidade, anomalias crâneo-faciais, flacidez muscular, etc.
A indicação para a cirurgia impõe-se nos casos em que há repercussão nítida sobre a qualidade do sono – são crianças com sono muito agitado, com sudorese e/ou enurese nocturna, terrores... – muitas vezes associada a alguma sonolência diurna ou pelo contrário  à hiperactividade, má progressão estato-ponderal (porque é nas fases de sono profundo que se liberta a hormona de crescimento) e dificuldade na deglutição de alimentos sólidos.
A cirurgia é bastante simples e consiste na redução do volume das amígdalas (amigdalectomia parcial).

cirurgia da voz -

podemos mudar a sua voz

As alterações da voz têm origem, quase sempre, em esforços vocais para além dos limites tolerados (porque toda a laringe tem o seu limite para o esforço) e podem ser prevenidas com medidas de higiene vocal ou tratadas quer conservadoramente quer através de cirurgia.
As medidas de higiene vocal gerais consistem em tentar não permanecer em ambientes muito ruidosos, que obriguem a elevar o nível da voz para comuncar, evitar os esforços vocais muito prolongados ou violentos, evitar ambientes com má ventilação, muito poluídos ou secos, evitar os hábitos tabágicos acentuados e manter um bom equilíbrio entre a ingestão e a saída de líquidos, para que os tecidos do organismo se mantenham bem hidratados. Para isto é aconselhável o hábito da ingestão de água ou chá açucarado fraco e evitar as bebidas diuréticas, tais como o café e outras com cafeína, o chá preto e o álcool.
Antes de um previsto esforço vocal devem evitar-se as pastilhas ou aplicações que contenham produtos anestésicos porque, para além de diminuírem o desconforto, diminuem também a sensibilidade para o esforço excessivo (o que constitui uma proteção natural), o que poderá conduzir ao aparecimento de lesões potencialmente graves.
Se as agressões não forem controladas poderão surgir alterações orgânicas na laringe, resultantes do contacto forçado: os nódulos, os pólipos, o edema crónico. O sintoma é a rouquidão persistente, o tratamento consiste na correção por foniatria ou, nos casos mais difíceis, pela microcirurgia.
Há, no entanto, outras causas que poderão estar na origem do problema, como sejam algumas malformações congénitas da laringe, a papilomatose, as paralisias resultantes de doenças virais ou de cirurgias no pescoço, o registo vocal de tonalidade demasiado aguda ou demasiado grave, a presbifonia (alterações relacionadas com o envelhecimento), os tumores, etc.
Todas estas desconformidades poderão eventualmente ser corrigidas, depois de bem avaliadas, geralmente com o recurso a técnicas cirúrgicas de complexidade simples ou moderada, desde as técnicas para ressecção de patologia às reconstrutivas para remodelação das cordas vocais, tais como as tiroplastias ou as injecções com gordura abdominal ou silicone em micropartículas.

septoplastia - cirurgia sem dor

 

Os desvios do septo nasal são muito frequentes e podem ser classificados em graus: grau I se o desvio for ligeiro, grau II se já provoca alguns sintomas obstructivos e grau III se a obstrução for completa.
A indicação para correcção cirúrgica impõe-se quando há repercussão importante sobre o normal funcionamento da passagem do ar, com alteração da qualidade de vida, e não apenas por haver desvio.
O início das queixas obstrutivas remonta geralmente à fase de maior crescimento dos ossos e cartilagens da face, a puberdade. Os desvios máximos atingem-se no sexo masculino por volta dos 16 anos e no sexo feminino entre os 14 e os 15 anos.
O agravamento da respiração faz-se também à custa da progressiva hipertrofia dos cornetos nasais, que se adaptam às curvaturas do septo e que são mais notórias nos casos de rinite alérgica ou vaso-motora, ou contacto muito constante com ar seco (ar condicionado). Para que o resultado da cirurgia seja bom, actua-se quase sempre não só no septo mas também nos cornetos, reduzindo o seu volume excessivo e melhorando assim a ventilação. Pela sua grande importância funcional (aquecimento, hidratação e filtração do ar que respiramos), os cornetos deverão apenas ser reduzidos e não extraídos. As novas técnicas de redução por rádio-frequência tornam isto possível, ao actuarem no interior dos cornetos sem interferirem com a superfície, que mantém integridade funcional.
A intervenção cirúrgica é executada sob anestesia geral e tem uma duração aproximada de 20 minutos.
O pós-operatório é indolor, o tamponamento é retirado na manhã seguinte à cirurgia. Poderão utilizer-se materiais absorvíveis que dispensam o destamponamento.

PONTOS IMPORTANTES:
. Não é por haver desvio do septo que é necessária a cirurgia. Esta impõe-se apenas quando há disfunção (obstrução respiratória).
. O pós-operatório é indolor e não há necessidade de medicação.
. A abordagem é feita por dentro das fossas nasais, pelo que não há cicatriz externa.
. Os tamponamentos são geralmete de curta duração; poderão utilizar-se materiais absorvíveis que dispensam o destamponamento.
. É aconselhável evitar esforços físicos no pós-operatório durante 2-3 semanas.

otite sero-mucosa

Trata-se de uma doença do ouvido médio que se caracteriza pela formação de um derrame (seroso, mucoso ou seromucoso) num espaço que é normalmente preenchido por ar. A sintomatologia é discreta, não há dores nem febre (não se trata de uma infecção), apenas alguma baixa de audição que poderá ser de muito ligeira a grave. O diagnóstico é feito pela observação dos ouvidos e pode ser confirmado por estudos audiométricos e impedancimétricos. É frequente que sejam os professores a chamarem a atenção dos pais perante um aluno que parece sempre distraído ou que se isola (por não perceber o que dizem os colegas) ou que tem muitos erros de escrita (se não ouve bem, escreve mal).
As causas são geralmente a hipertrofia adenoideia, por oclusão dos orifícios faríngeos das Trompas de Eustáquio, a alergia (por edema das fossas nasais e Trompas) e as infecções respiratórias naso-sinusais repetidas ou prolongadas. Investigadores do King's College London, no Reino Unido, descobriram recentemente que as células que revestem o ouvido médio são provenientes da endoderme, coberta de cílios que ajudam a limpar os detritos do ouvido, e da crista neural, desprovida de cílios, menos eficaz na remoção de detritos e conferindo maior suceptibilidade ao desenvolvimento de patologia.
Se o tratamento conservador não tem resultados e a audição se agrava, poderá ser necessário o recurso ao tratamento cirúrgico – colocação de tubos de ventilação trans-timpânicos – uma cirurgia simples e com resultados muito previsíveis. Os tubos de ventilação permanecem no tímpano durante alguns meses e são expulsos espontaneamente, sem necessidade de reintervenção, com excepção para os casos de permanência demasiadamente prolongada. Se a causa for a hipertrofia dos adenóides impõe-se em simultâneo a sua remoção, como forma de evitar a persistência do problema.


PONTOS IMPORTANTES:
. O tratamento local (gotas, pomadas...) é ineficaz.
. Não é necessário proteger os ouvidos da entrada de água (porque o problema é para dentro do tímpano), a não ser nos casos em que foram colocados tubos de ventilação.
. A medicação com anti-histamínicos é contra-producente (por provocarem secura e, por consequência, maior adesividade do derrame do ouvido médio).
. É uma doença de evolução reversível (assim que o derrame do ouvido médio seja resolvido, a audição terá retorno à normalidade).

cirurgia robótica

O conceito de robôs cirurgiões foi iniciado na segunda metade da década de 80 com os trabalhos de engenheiros da NASA que desenvolveram em simultâneo conceitos de realidade virtual e de imagens 3D e suas interfaces, com o objetivo da sua utilização à distância (guerra, astronáutica...).

Numa das primeiras experiências em que estes métodos se aplicaram à Medicina, Alberto Roveda realizou, em 1993, uma biópsia hepática num suíno, em Milão, com a estação cirúrgica situada no laboratório da NASA, na Califórnia, do outro lado do Atlântico, com um delay de apenas 1,2 segundos.

Posteriores desenvolvimentos e modificações tornaram possível a execução de cirurgia prostática, renal, abdominal e torácica.

 

A cirurgia robótica transoral (TORS) da região da cabeça e pescoço foi desenvolvida em 2005 pela equipa da Universidade da Pensilvânia, Filadélfia. Por este método, os braços robóticos e uma óptica 3D angulada a que está acoplada uma câmara de vídeo de alta definição abordam as lesões por via natural endobucal; o cirurgião, sentado numa consola na mesma sala operatória ou noutro local, visualiza o campo cirúrgico tridimensionalmente em monitor e comanda os instrumentos por joy-stick. Diminui assim o cansaço cirúrgico e, se necessário, pode ser feita uma programação do sistema para inibir o tremor das mãos do operador.

As principais indicações para este tipo de cirurgia são todas as lesões que, pela sua localização, sejam de difícil ou não-possível acesso para ressecção por outros métodos, incluindo o laser: tumores da base da língua e das valéculas, alguns tumores supraglóticos, pequenos tumores  amigdalinos e do espaço parafaríngeo e no tratamento da apneia do sono sempre que a origem esteja na hipertrofia das amígdalas linguais.

As principais vantagens na utilização da cirurgia robótica, sendo uma alternativa às abordagens externas, são a diminuição do trauma cirúrgico (ao evitar a mandibulotomia e a traqueostomia) e, por consequência, uma mais rápida recuperação funcional,  diminuição do risco de infecção, redução do tempo de internamento e retorno mais rápido às normais atividades de vida diária.

 

 

value. quality care. convenience.

Otorrinolaringologia

 

217 104 400    -  Hospital da Luz

214 840 966  -  Cascais​

2.ªs e 5.ªs feiras

Hospital da Luz - Lisboa

3.ªs e 6.ªs feiras

Av.ª Valbom, 17 - 2.º G - Cascais